Quebrando Geada - Adams Cezar | Letra da Música

Quebrando Geada - Adams Cezar

Letras de A - Z, de diversos estilos musicais

Quebrando Geada - Adams Cezar - Letra






Já entrou o junho
Firmando o inverno e sustentando o frio
O corredor vazio
Marcado de casco já não traz ninguém

As chuvas que vêm alagam o pasto
Mesmo sendo calmas
E encharcam as almas
De longas esperas pra os rumos que têm

O minuano toreia a quincha do galpão
E verga o taquaral
Gélido punhal
Que sangra a paz do dia com seus desalentos

Lâmina do vento de profundo corte
E cicatriz tão feia
Que insiste e tenteia
A sangrar meu peito num cruel intento

Os ponchos são cielos
Donde o sereno pinta suas estrelas
E as horas sinuelas nos levam
Por diante entre as cerrações

Almas regeladas vão quebrando geada
E sustentando a vida
E a pior invernia
Pode ser poesia nestes corações

A geada preta abraça as manhãs
Com bárbaro gelo
Arrepiando o pelo de quem madrugou
Pra empezar a lida

Mas quem ganha a vida
Em cima do arreio cá nesses fundões
Não espera verões
Que o tempo lhe cobra a plata recebida

Não hay tempestade
Que atropele o tino destas almas claras
O calor do brio atropela o frio cada vez mais vivo
Nuvens de palheiro
Já contraponteiam o tempo maleva
E o inverno reza
Pra que o próprio inverno bote o pé no estribo

Quebrando Geada - Adams Cezar | Letra da Música. Compartilhe!