A Bola Da Vez (Letra) - Seleção Brasileira de Rima | Letra da Música

A Bola Da Vez (Letra) - Seleção Brasileira de Rima

Letras de A - Z, de diversos estilos musicais

A Bola Da Vez (Letra) - Seleção Brasileira de Rima - Letra






"Nega" solta a voz 

Convoca a mulherada na missão aqui é “noiz” 

"Nega" solta a voz 

História do gueto a gente constrói 

Barroca, maloca, Franco da Rocha 

Representante do fundão, tem quem gosta e quem apoia 

Se tem Rap a Chai encosta, os bico se incomoda 

Pois a voz que solta não é pica é "XOXOTA" 

Provoca diferente sensação 

Porque a neguinha tem liberdade de expressão 

Se acha? Que vou prender o meu pensamento 

Vou deixar ele voar com a tempestade, com o vento 

 

Juliana Sete 

Jaraguá, Perus Zona Oeste, SP 

Ventre que me pariu, a Mc do "rolê" 

Se pra crer tem que ver, então me veja, "tô" no close 

Não é "fake" minha pose, não é festim o tiro é doze 

Doce da boca, motim da mente 

Revolta na mão ,tá no meu pente 

Não mexe comigo, eu não ando só 

Esquerda, direita posso ser bem pior 

Quem me protege não dorme, "Das Calles " Hip Hop 

Tá viva essa porra os "KKK" em choque ! 

Seu monopólio não previu o ataque da matilha 

"Fodeo" rapaz !  

"Tamo" aqui e ninguém tira !? 

 

Jô Maloupas 

E tem quem fala demais critica demais te julga demais  

Cadê os ideais ? Deixou lá pra traz, de leve e traz

Ideias banais de quem pode mais , mais 

Nessa panela de pressão estrategicamente desleais? só cria rivais  

Malandragem de verdade, tio, é saber viver 

Sem dever, sem esquecer, respeito prevalecer 

Deixa as moscas pousar, bem no meio da sopa 

Caminho nas beiradas sapatinho sem vacilar 

"DESPORSA"  

Se não quer ver estrelas não olha pro céu 

Ta de chapéu quem pensa que eu to na parada por troféu 

Bem mais cruel, chama emana do fogaréu 

Sou a voz das nossas ancestrais  

BRUXAS QUEIMADAS COMO RÉU 

 

TFlowMc

É pedrada paralelepípedo no "boy" ridículo

Propício, promíscuo que sempre tenta abafar grito

Ridículo machismo e o nosso poder infinito

Não baixo a Guarda caio na Batalha

Metemos a cara e gostamos disso

 Se acha que é "machão", só peço uma roda de “free”

“Monna” Brutal no afronte dispensando os "mimimi"

Nosso reparo eu vou perseguir

Com Minas munidas vou me revestir

“Empoderamento” em momento, de mim,

Então “cuza”, aplaude ai

 As irmãs, talibã guerreiras do dia a dia

Mic é minha transmissão, transmutação, ação por dia

Irreverência é consciência na decência de ser cria

“Monna Brutal” decapitando homofóbico machista

 

 

Jana D' Notria 

Não finja que me conhece, conhece 

Eu sou bem pior do que parece, 

não preciso provar nada pra você, questiona de onde vim 

o que fiz pra estar aqui, se me criei ou denominei  mc? 

 Me chamou de agressiva  selvagem  

espera só pra ver eu reproduzir minhas maldades 

E aí Vai me conhecer, vai saber   

desprezo muito mais o que vem de você 

 questiona minha origem nada  luxuosa 

to cagando pra gente rixosa 

De onde eu vim, não se dá satisfação  

a gente entra pra lutar com os pés no peito não contendo emoção  dissipando repressão 

com as manas na causa pra refazer essa missão 

 

BrunaMuniz 

Subestimada mas eu vim com as mãos atadas 

Sou luz no escuro, plantando mais frutos, avisa os impuros somos da estrada  

De heroínas que trabalham reunidas 

Fazendo justiça, curando feridas, cultivam a vida semente divina 

 Ser realista pra falar verdade 

Dói no peito ver que o mal habita ainda na cidade 

A união faz parte "to" aqui pra não ser tarde 

Covarde não cabe em mim  

Sou guerrilheira e luto assim  

 A mensagem pra manter de pé a nossa conduta 

Cultura de rua, virou armadura contra ditadura 

Cobrando postura, respeite  e segura mulheres refuta  

Mente força bruta por mais amor e menos tortura, estamos na luta 

 

 Letícia/Manchinha 

Letícia vulgo Manchinha quem conhece sabe  

Que eu nunca precisei de aceitação pra chega na base 

Enigmática difícil de desvendar  

Sou eu que preciso acreditar  

"Empoderada" pelas minhas parceiras  

Vidas cruzadas na caminhada  

Registra essa fita e salva 

Que os princípios as palavras sempre foram a união  

 Eu nunca me encaixei no padrão da mídia  

Da massa da televisão  

E nela sou a representação  

Que diz três vezes não a toda alienação 

 

Lilian DuGuetto 

A cultura hip hop vem crescendo nas "perifas"  

Não desacredita hip hop é minha sina 

As minas de fé, não da "migué" então mete o pé 

Revolução não é pra qualquer 

"Dichavando" as ideias, bolando meus pensamentos 

Abrindo barreiras, ladeiras, becos e vielas 

Abrindo janelas, mente conscientes, Independente, incansavelmente 

Os 4 elementos, vem entrando na sua mente 

 No subconsciente a ideia é quente 

Minha munição são minhas letras 

Que como um tiro de escopeta estraçalha de bandeja 

Estraçalha de bandeja 

 

Cíntia Savoli 

Coragem pra enfrentar, a malandragem pra se esquivar 

De vara com a covardia, matando um leão por dia 

Onde os meus estiverem, eu estarei também 

Nas grades de uma cela, mas favelas, veja bem 

 Toda essa luta não será em vão, 

O Estado genocida, e racista vai pagar tostão por tostão 

Daremos nossas vidas se preciso for 

Nunca foi por dinheiro, é por ódio e também por amor 

 Mas por favor, não confunda a bruta com a flor, 

É doce mas é foice pra decapitar o opressor 

Avante na luta conduta de Maria Bonita 

Fecha sua cara, racista. machista e oportunista

A Bola Da Vez (Letra) - Seleção Brasileira de Rima | Letra da Música. Compartilhe!